Período de chuvas: veja como se proteger da incidência de raios

Em algumas épocas do ano a chuva não perdoa. Você sabe como se proteger dos raios?

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) realizou um estudo que revelou dados interessantes. Na última década, uma média de 133 pessoas morreram por ano no Brasil em decorrência de descargas elétricas. Pensando nisso, surge a dúvida: como se proteger dos perigos gerados pela incidência de raios? Continue a leitura para descobrir!

CONHEÇA OS IMPACTOS E PERIGOS CAUSADOS PELA INCIDÊNCIA DE RAIOS

 Para começar, é importante esclarecer conceitos. Em uma tempestade, três elementos se destacam na cena e, embora pareçam semelhantes, possuem algumas diferenças entre si. São eles:

  • Relâmpago: por conta da rápida movimentação dos elétrons, o clarão que você enxerga no céu corresponde ao relâmpago.
  • Trovão: ainda efeito desta movimentação, o trovão é o barulho gerado pelo aquecimento dos elétrons.
  • Raios: são uma descarga elétrica que ocorre entre uma nuvem e outra – ou entre as nuvens e o solo. Este fenômeno é mais comum em lugares que possuem um clima tropical.

O Brasil é o local que mais sofre com a incidência de raios no mundo. Além do clima propício e a sua extensão territorial, o aquecimento global e a urbanização são dois fatores que contribuem para aumentar as ocorrências. Por ano, são cerca de 57,8 milhões de raios no nosso país.

UM RAIO CAI DUAS VEZES NO MESMO LUGAR? 

Apesar da expressão popular afirmar o contrário, um raio pode cair mais de uma vez no mesmo lugar. Inclusive, pode acontecer até de cair repetidas vezes em um ponto específico – como é o caso do Cristo Redentor, no Rio de Janeiro. A estátua mais famosa do Brasil é atingida por uma média de 6 raios todos os anos.

Sabendo que esta informação é verdadeira, se torna mais urgente ainda se proteger dos perigos causados pela incidência de raios. Neste contexto, é importante ter acesso a algumas informações cruciais:

  • Grande parte dos óbitos decorrentes pelo fenômeno são causadas pela potência da descarga elétrica;
  • Os raios costumam cair em pontos altos – pois é o local onde as cargas positivas tendem a se acumular. Por isso, é bom ficar atento(a)! Em lugares abertos e descampados, o ponto mais alto será você.
  • Não fique dentro ou perto do mar, piscina, rios ou em corpos d’água durante uma tempestade. A água conduz eletricidade, gerando maior perigo de acidentes e até mortes com a incidência de raios.
  • Evite se proteger embaixo de árvores – elas são pontos bastante atingidos pelos raios, por conta de sua altura. Além disso, quando a chuva está muito forte, ela pode cair.
  • Fique longe das janelas, portas e outros condutores de energia – como canos, metais, equipamentos eletrodomésticos ligados, telefones com fio, etc. Durante uma tempestade, tire os aparelhos da tomada e mantenha distância destes pontos. O ELAT – grupo de Eletricidade Atmosférica que atua no INPE – calcula que 15% dos óbitos decorrentes da incidência de raios acontecem dentro de casa.
  • Se estiver dentro do carro ou ônibus, fique tranquilo(a)! A estrutura metálica destes automóveis atua como isolante elétrico – protegendo aqueles que estão dentro do veículo.

SPDA: UMA SOLUÇÃO NECESSÁRIA

Você já ouviu falar no Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas – popularmente conhecido como SPDA ou para-raios? Ele é uma exigência do Corpo de Bombeiros, regulamentada pela ABNT – segundo a NBR 5419.

A função do SPDA é evitar ou reduzir o impacto dos efeitos das descargas atmosféricas. Assim, também serve para equacionar riscos de incêndios, explosões, danos materiais ou até a integridade física das pessoas.


A NBR 5419 se aplica a qualquer estrutura comum ou especial – seja ela comercial, agrícola, industrial, administrativa ou residencial. Em outras palavras, qualquer edificação que contenha:

  • Mais de 1500m² de área construída;
  • Mais de 30m de altura;
  • Áreas com função de depósito de explosivos e inflamáveis;
  • Quando a periculosidade for justificada.

O Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas deve ser submetido a inspeções completas ao menos uma vez por ano. Nestas auditorias, o fiscal irá identificar eventuais irregularidades – que deverão ser corrigidas em um prazo determinado.

A documentação gerada pelas inspeções e medições do SPDA e aterramentos elétricos é uma das exigências da NR-10 – por isso, deve constar no Prontuário de Instalações Elétricas. Já falamos sobre a importância das Normas Regulamentadoras e do PIE aqui no blog. Caso queira saber mais sobre estes assuntos, clique aqui.

Para a instalação adequada do SPDA, é preciso contar com o suporte de uma empresa qualificada. A Eletrorede Engenharia é especialista em instalações elétricas, atuando há anos no mercado e atendendo clientes de diversos segmentos. Conte com a nossa equipe técnica para se proteger e proteger o seu patrimônio dos perigos causados pela incidência de raios!

Prontuário de Instalações Elétricas: por que ele merece sua atenção?

Você sabe por que o Prontuário de Instalações Elétricas é importante para a sua empresa?

O Prontuário de Instalações Elétricas, conhecido popularmente como PIE, é uma documentação essencial para as empresas. Leia o texto para conhecer os pormenores desta regulamentação e entenda porque ele merece sua atenção.

O QUE É O PRONTUÁRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS?

 O PIE é a reunião de todos os documentos – tanto da empresa, quanto dos funcionários – que sintetizam o conjunto de procedimentos, práticas, certificados e programas que a organização promove para evitar que os riscos elétricos que o trabalhador está exposto se transformem em acidentes.

Como todo projeto, o Prontuário de Instalações Elétricas tem alguns objetivos. Conheça os principais:

  • Ter registrado em documento todas as informações necessárias para garantir a segurança do funcionário;
  • Atestar para o MTE o cumprimento da empresa ao todos os requisitos da NR-10;
  • Comprovar que todos os serviços e procedimentos são executados com qualidade e segurança para os trabalhadores.


    NR-10 E PRONTUÁRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 

Já falamos em outro texto sobre a importância da NR-10 para o setor da engenharia e indústria. Se você deseja entender mais sobre as Normas Regulamentares, clique aqui. Acontece que ela também tem grande relevância para o Prontuário de Instalações Elétricas.

Veja como ela influencia na constituição do PIE:

  • NR-10.2.3

É obrigatório para todas as empresas documentar:

  • As atualizações do diagrama unifilar das instalações elétricas;
  • Laudos de SPDA – Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas;
  • Descritivo dos sistemas de proteção e documentação dos dispositivos de segurança – como disjuntores, fusíveis, etc.
  • NR-10.2.4

Todos os estabelecimentos com carga instalada acima de 75 kW têm a obrigação de elaborar e manter atualizado o Prontuário de Instalações Elétricas – contendo, além dos tópicos dispostos no subitem 10.2.3:

  • Conjunto de procedimentos e instruções técnicas e administrativas de segurança e saúde – relacionadas à NR-04 (Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho) e NR-10.
  • Documentação das inspeções e medições do SPDA e de aterramentos elétricos;
  • Os laudos de inspeção e isolação elétricos de todos os EPIs e EPCs, bem como as ferramentas para trabalhos energizados, devem estar discriminados;
  • Treinamentos de NR-10, renovações e certificados – inclusive de qualificação dos funcionários na área de elétrica. Ou seja, toda documentação de habilitação, capacitação e autorização dos trabalhadores e cursos realizados.
  • Resultados dos testes de isolação elétrica realizados nos equipamentos de proteção coletiva e individual;
  • Toda a certificação adequada dos equipamentos elétricos em áreas de risco de incêndio ou explosão – para fins de controle de qualidade;
  • Relatório Técnico das Inspeções atualizadas com as recomendações e cronograma de adequação. O MTE disponibiliza um tempo de adaptação para que as empresas possam organizar esta documentação após uma auditoria.

PIE: UM OLHAR MAIS APURADO

O Prontuário de Instalações Elétricas deve contemplar um conteúdo mínimo. Estes itens dependerão do porte da empresa e da complexidade de suas instalações elétricas. Na verdade, as informações que devem constar no PIE estão intrinsecamente ligadas à capacidade da equipe técnica da organização no diagnóstico, análise e implementação das soluções adequadas.

Esta documentação deve garantir que:

  • As auditorias no sistema de segurança elétrica sejam realizadas periodicamente;
  • Os equipamentos e ferramentas utilizadas sejam testadas previamente;
  • As instalações elétricas da empresa estejam dentro das adequações necessárias;
  • Exista um padrão para atender as situações de emergência;
  • Todas as atividades sejam precedidas de uma análise de risco;
  • Os procedimentos sejam elaborados e aplicados pelos profissionais qualificados;
  • As instalações elétricas sejam atestadas poe meio de laudos independentes;
  • A gestão da segurança elétrica seja realizada de maneira eficiente pela empresa – com procedimentos administrativos preestabelecidos pela organização;
  • Todos os funcionários tenham acesso às especificações de EPIs, EPCs e outras ferramentas de trabalho;
  • As instalações elétricas sigam um plano de manutenção preventiva e/ou preditiva.

Entendeu por que o Prontuário de Instalações Elétricas é extremamente importante?

Uma das áreas de atuação da Eletrorede contempla diversos itens citados no PIE. Somos especialistas em executar serviços de instalações elétricas dentro das exigências da regulamentação. Nossa equipe técnica está capacitada para oferecer a melhor solução para o seu problema! Entre em contato conosco e saiba mais detalhes.

Drenagem Subterrânea: por que ela é necessária?

Entenda o que é, como funciona e porque a drenagem subterrânea é um fator essencial para prestar atenção.

Quando você pensa em comprar um terreno, há alguns fatores importantes para levar em consideração. As possibilidades de drenagem e o impacto que intervenções deste tipo podem gerar durante a instalação hidráulica da rede artificial são aspectos a serem cuidadosamente analisados. O texto a seguir trata deste tema. Vamos te explicar o conceito, funcionamento e mostrar porque a drenagem subterrânea é extremamente necessária.

Você está pronto(a)? Então, continue a leitura!

MAS, AFINAL, O QUE É A DRENAGEM SUBTERRÂNEA?

Drenagem é um sistema planejado para escoar a água superficial de terrenos encharcados por meio de alguns recursos artificiais. No geral, são utilizados tubos, valas, canais, túneis, fossos e até mesmo motores como apoio ao processo.

O ciclo da água depende das chuvas. A água pluvial pode ser acumulada em diversos lugares: represas, lados, poças, terrenos, etc. Ou seja: ela pode seguir seu curso (escoando por um terreno íngreme) ou se infiltrar no solo.

A drenagem subterrânea consiste em uma instalação para, como o próprio nome sugere, drenar o excesso de água no subsolo. Desta forma, se configura como uma estratégia eficiente na redução dos riscos de erosão, possíveis alagamentos e protegendo os edifícios de sofrer com os problemas gerados pela umidade.

Veja alguns exemplos dos efeitos causados pelo excesso de água no solo:

  • Prejudica a absorção de nitrogênio pelas raízes;
  • Leva ao apodrecimento das raízes;
  • Aumenta a salinização do solo;
  • Causa dificuldades no trânsito de máquinas;
  • Contribui com a deterioração da estrutura do solo;
  • E muito mais!

Às redes de drenagem construídas pela intervenção humana nas cidades se dá o nome de redes artificiais. São elas que dão o suporte e promovem a estabilidade adequadas para a porção terrena no ciclo da água. Com a união do sistema de drenagem residencial, comercial e industrial às redes das ruas conduzem a água pelos bueiros e galerias pluviais da cidade – até se acomodarem no corpo de água (mar, lago, etc.) mais próximo.

Leia mais: Normas Regulamentadoras: o que são e como elas afetam o seu negócio?

COMO FUNCIONA UM PROJETO DE DRENAGEM?

 Para realizar um projeto de drenagem subterrânea é fundamental contar com o apoio de profissionais experientes e qualificados. Um estudo técnico profundo faz toda a diferença para evitar equívocos comuns – tanto no planejamento, quanto na instalação hidráulica.

Conheça os principais tópicos observados em um projeto de drenagem:

  • Reconhecimento e delimitação da área: análise e diagnóstico da origem do excesso de água.
  • Levantamento topográfico: etapa do processo responsável por estudar o terreno e definir em quais perímetros serão instalados os tubos da rede artificial. 
  • Estudo do solo e dos lençóis freáticos: este é um estágio fundamental para o sucesso do projeto. O estudo aprofundado do solo permite avaliar a macroporosidade e condutividade hidráulica do terreno.

Já para realizar o levantamento de informações dos lençóis freáticos é necessário instalar uma rede de poços de observação em toda a área delimitada. 

  • Estudo do clima: tem o objetivo de analisar o índice de precipitações na região onde o sistema de drenagem subterrânea será instalado. 

Com base nos dados estudados e em algumas fórmulas, é possível elaborar um projeto eficiente – distribuindo a instalação dos tubos de maneira estratégica para aquele terreno específico. Por isso, a análise de um especialista faz toda a diferença para garantir que o investimento em um sistema de drenagem subterrânea valha a pena. 

A Eletrorede tem grande expertise técnica para elaborar e executar instalações hidráulicas para clientes de diversos segmentos. Se você precisa de suporte para realizar um projeto de drenagem subterrânea, conte com a nossa equipe!

Normas Regulamentadoras: o que são e como elas afetam o seu negócio?

Entenda porque as Normas Regulamentadoras são fundamentais para a atuação da sua empresa.

Também chamadas por NRs, as Normas Regulamentadoras causam impacto na atuação de qualquer empresa – seja ela pública, privada ou órgão do Governo – que possuam funcionários registrados no regime CLT.

Leia o texto para entender como as NRs influenciam no cotidiano da sua profissão.

ENTENDA O CONCEITO: O QUE SÃO NORMAS REGULAMENTADORAS? 

Para começar a falar sobre o tema, é importante entender o que são as Normas Regulamentadoras. O conceito é simples. Trata-se de um conjunto de orientações e procedimentos técnicos relacionados à segurança e medicina do trabalho.

As NRs contemplam tanto os deveres de empregador e empregado, quanto os direitos dos funcionários. Conheça os principais objetivos deste dispositivo:

  • Oferecer aos funcionários condições de executar seu trabalho com segurança;
  • Os direcionamentos servem como referência de qualidade nas atividades;
  • Promover uma política de saúde e segurança no trabalho dentro do ambiente corporativo;
  • Orientar e proteger todos os indivíduos envolvidos no processo por meio de uma legislação formalizada;
  • Definir estratégias para prevenir acidentes de trabalho;
  • Estabelecer processos e estratégias de prevenção de acidentes de trabalho.

O Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) é o órgão responsável por elaborar e revisar as Normas Regulamentadoras. Além disso, serve como mediador entre comissões, empresas, funcionários e representantes políticos – tornando possível sugerir alterações nesta legislação.

COMO AS NORMAS REGULAMENTADORAS AFETAM O SEU NEGÓCIO?

As NRs nasceram a partir de problemas reais da sociedade. Por exemplo: pesquisas recentes apontam que o Brasil é o 4º país com maior número de acidentes de trabalho. Este dado revela um cenário ruim e exige uma resposta de órgãos públicos. É neste contexto que surgiram as Normas Regulamentadoras.

São 36 direcionamentos contemplados pelo Direito do Trabalho. A grande maioria destas regras estão relacionadas ao canteiro de obras – mas, como já mencionado no início do texto, as orientações impactam qualquer empresa que possua um quadro de funcionários regidos pela Consolidação das Leis de Trabalho.

CONHEÇA ALGUMAS NRs IMPORTANTES

Existem Normas Regulamentadoras específicas para diferentes ramos de atuação. Dependendo do setor no qual sua empresa atua, algumas regras são mais importantes que outras. Por isso, é importante buscar conhecer todas as normas.

Separamos as NRs mais gerais para seu conhecimento:

  • [NR-01] Disposições Gerais

Nada mais natural do que o primeiro item tratar sobre as disposições gerais das Normas Regulamentadoras. A NR-01 determina obrigatório que as empresas públicas, privadas e órgãos do Governo possuam empregados no regime CLT.

É importante destacar que o não cumprimento das regulamentações de segurança e medicina do trabalho confere ao empregador algumas penalidades previstas por lei.

  • [NR-02] Inspeção Prévia

Esta norma descreve que, antes de iniciar suas atividades, todo e qualquer novo estabelecimento deve solicitar aprovação de suas instalações ao MTE. Além disso, em caso de modificações substanciais nos equipamentos ou instalações, o órgão regional do MTb deve ser comunicado.

  • [NR-03] Embargo ou Interdição

A NR-03 está relacionada a qualquer serviço de construção, instalação, manutenção, montagem ou reforma. Ela estabelece situações de emergência nas quais as empresas devem paralisar totalmente ou parcialmente suas obras.

Esta regra também define que, durante o período de interdição da obra, os funcionários devem receber seus salários normalmente.

  • [NR-04] SESMT – Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho

Este item considera o grau de risco da atividade principal da empresa. Ele estabelece que os funcionários devem, obrigatoriamente, constituir o SESMT – a fim de proteger a integridade e promover a saúde dos empregados no local de trabalho. Para saber quais são os requisitos necessários para aplicação desta regra, consulte os Quadros I e II da NR-04.

  • [NR-05] CIPA – Comissão Interna de Prevenção de Acidentes

As empresas que possuem, no mínimo, 20 funcionários são obrigadas – por lei – a formar e manter a CIPA. Este programa de treinamento visa conscientizar as pessoas a respeito da prevenção dos acidentes e doenças geradas por conta do trabalho. Deste modo, é possível assegurar que o ambiente de trabalho esteja adequado às atividades executadas.

  • [NR-06] EPI – Equipamentos de Proteção Individual

Os EPIs devem ser adequados ao risco de cada atividade e fornecidos aos funcionários gratuitamente. A empresa deve cuidar para que todos os materiais estejam em perfeito estado de funcionamento e bem conservados.

  • [NR-07] PCMSO – Programas de Controle Médico de Saúde Ocupacional

Este programa tem caráter educativo e preventivo em relação a saúde dos trabalhadores. Ele delega para a empresa a responsabilidade de elaborar e implementar o PCMSO para os funcionários. Seu principal objetivo é promover a prevenção, acompanhamento e diagnóstico precoce de doenças e lesões relacionados – especificamente – à atividade laboral.

Faz parte do programa avaliações e exames complementares periódicos – de acordo com o grau de risco oferecido pelas atividades exercidas.

  • [NR-08] Edificações

A NR-08 descreve os requisitos técnicos mínimos pensando na organização das edificações, a fim de garantir segurança e bem-estar aos funcionários e outras pessoas que frequentam este local.

  • [NR-09] PPRA – Programas de Prevenção de Riscos Ambientais

É obrigatório que a empresa promova a integridade dos trabalhadores por meio de um processo antecipatório, de reconhecimento, avaliação e controle dos riscos ambientais que já existem – ou podem vir a existir – no ambiente de trabalho. O PPRA considera e prioriza a proteção do meio ambiente e uso consciente dos recursos naturais.

  • [NR-10] Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade

A NR-10 é uma das Normas Regulamentadoras mais importantes para o ramo da Engenharia – principalmente falando de Indústria. Ela estabelece os requisitos mínimos, medidas de controle e sistemas de prevenção dos trabalhadores que executam instalações elétricas ou qualquer outro serviço que envolva o contato com eletricidade.

  • [NR-12] Segurança no Trabalho em Máquina e Equipamentos

Outra norma importante para a Engenharia é a NR-12. Ela orienta quais são as medidas de prevenção de acidentes e doenças do trabalho nas etapas tanto de projeto, quanto da prática. Como utilizar cada tipo de maquinário e equipamento?

Ela também é importante para garantir a regularização da fabricação, importação, comercialização, exposição e cessão de qualquer título.

  • [NR-15] Atividades e Operações Insalubres

A NR-15 define quais atividades, operações e agentes insalubres que possam oferecer qualquer risco à saúde dos trabalhadores.

  • [NR-16] Atividades e Operações Perigosas

Esta norma serve para regulamentar atividades e operações consideradas como perigosas ao funcionário. Ela discrimina recomendações de caráter preventivo para cada tipo. Outra característica da NR-16 que causa impacto para as empresas é estabelecer que o exercício do trabalho em condições de periculosidade dá direito ao empregado o acréscimo de 30% incidente sobre o salário – sem considerar prêmios ou PLR.

As atividades laborais consideradas arriscada se encontram no Anexo nº1 e nº2 da NR-16.

  • [NR-23] Proteção Contra Incêndios

Esta norma estabelece direcionamentos e medidas de proteção contra incêndios. Ela deve ser aplicada em todas as empresas.


 

  • [NR-24] Condições Sanitárias e de Conforto nos Locais de Trabalho

A NR-24 discrimina condições sanitárias e de conforto mínimas em locais de uso comum – como banheiros, refeitórios, cozinhas, entre outros.

  • [NR-26] Sinalização de Segurança

Define as cores que devem ser utilizadas no ambiente de trabalho para sinalizar risco e, assim, prevenir acidentes. Estão inclusas nesta norma a delimitação de áreas de risco, identificação dos equipamentos de segurança e de condutos industriais utilizados para transporte de gases e líquidos perigosos.

  • [NR-28] Fiscalização e Penalidades

Você deve se perguntar: com tantas Normas Regulamentadoras a seguir, como garantir aprovação na fiscalização de tudo isso? A NR-28 foi criada para descrever os critérios adotados pelo agente fiscal em suas auditorias. Inclui multas, prazos, interdição e outros tópicos.

A Eletrorede Engenharia é uma empresa que prioriza a segurança e a saúde dos funcionários – por isso estamos atualizados e alinhados com todas as NRs que impactam nossa atuação no mercado.

E aí, o que você achou de conhecer as principais Normas Regulamentadoras? Entendeu por que elas são importantes para o seu negócio?

Como economizar energia: 5 práticas fundamentais para ajudar a sua empresa

Conheça algumas ações simples, mas eficientes, para economizar energia na sua empresa.

Além de contribuir para o uso consciente dos recursos naturais, economizar energia também gera impacto positivo na sua conta de luz ao final do mês. As empresas que priorizam esta pauta em suas agendas também aumentam sua credibilidade ante ao público. A verdade é uma só: não faltam motivos para adotar alternativas e economizar energia na sua empresa!

Não sabe por onde começar? Nós te ajudamos! Continue a leitura e conheça 5 ações para colocar em prática na rotina corporativa.


COMO A SUA EMPRESA PODE ECONOMIZAR ENERGIA?

Saiba quais atitudes fazem a diferença para economizar energia:

#1 MODERNIZAÇÃO É TUDO

Investir na modernização aprimora a eficiência energética de sua produção e, como consequência, diminui os gastos com energia elétrica.

Uma das maneiras mais conhecidas de poupar dinheiro e eletricidade é trocar os tipos de lâmpada usados no ambiente. As fluorescentes e de LED são as melhores opções. Enquanto a primeira dura cerca de 8 mil horas e consome 15 watts, a segunda tem uma vida útil de 50 mil horas e seu consumo fica em torno de 6 a 8 watts.

É claro que as lâmpadas não são os únicos itens que devem ser modernizados. Com o aumento da eficiência energética de maquinários e outros equipamentos, o investimento se paga em alguns meses.

Embora seja uma dica básica, é sempre importante relembrar!

#2 A ILUMINAÇÃO NATURAL É SUA GRANDE ALIADA

Pense em estratégias para aproveitar ao máximo a luz natural. Aproxime os polos de trabalho das janelas, quebre paredes e evite pintá-las com cores escuras. Os tons mais claros refletem a luz com mais intensidade e diminuem o consumo de energia.

As tintas escuras absorvem a claridade e deixa os ambientes mais quentes – tornando necessário o investimento em equipamentos como ar condicionado ou ventiladores.

#3 PLANEJE SUA INFRAESTRUTURA DE MANEIRA ESTRATÉGICA

Esta dica é fundamental! Toda a infraestrutura do edifício, escritório ou galpão de fábrica deve ser pensada de maneira lógica e eficiente. Alguns movimentos são muito importantes. Veja:

  • Instale sensores de presença nos ambientes com pouca circulação de pessoas – como banheiros e halls. Esta é uma alternativa para evitar que as luzes fiquem ligadas o tempo todo e evita o consumo irresponsável de energia elétrica.
  • Desenhe um projeto pensando em garantir uma circulação de ar inteligente. Invista em janelas amplas, portas grandes com abertura para outros espaços bem ventilados e em ambientes maiores. Procure unificar espaços, pensando sempre na entrada e saída do ar.
  • O isolamento térmico também é um investimento muito importante quando se trata de economizar energia. Esta é uma estratégia que ajuda a manter a temperatura de um espaço menos vulnerável ao calor externo. Um bom exemplo são as janelas duplas – que possuem uma camada de ar entre os dois vidros e diminuem a troca de calor entre os ambientes.
  • Como não dá para contar 100% com a luz natural, é essencial investir em uma iluminação artificial eficiente. Além de utilizar equipamentos mais modernos, é importante garantir que as lâmpadas estejam distribuídas pelo espaço de maneira estratégica. Consulte um especialista para fazer este estudo! 

#4 CONHEÇA OS CUSTOS DA SUA PRODUÇÃO

Procure acompanhar de perto as etapas da sua produção e preste atenção onde, quanto e por quanto tempo a energia elétrica é necessária. Desta maneira, você será capaz de discernir em quais momentos a operação gera desperdício e criar estratégias para usar esta energia de maneira consciente.

Veja em quais momentos é possível desligar os equipamentos sem sofrer prejuízos.

#5 ESTEJA ATENTO AO QUE ACONTECE NO MUNDO

Economizar energia é uma pauta que está em alta a todo o momento. Pesquisadores e empreendedores se unem para pensar em soluções de consumo cada vez mais responsáveis. No segmento da energia elétrica não é diferente.

Recentemente, a ANEEL – Agência Nacional de Energia Elétrica – desenvolveu a Tarifa Branca. Trata-se de um método alternativo de cobrança na conta de luz, pensada como uma estratégia para reduzir o consumo de energia e aliviar a sobrecarga das distribuidoras em determinados horários do dia.

Para descobrir como funciona a Tarifa Branca e entender se ela é o melhor modelo de cobrança para o seu perfil, clique aqui e faça o download grátis do nosso infográfico.

RESUMINDO…

O processo para economizar energia se dá em 3 etapas:

  1. Evitar o desperdício dos recursos naturais;
  2. Reduzir o consumo de eletricidade;
  3. Reaproveitar a energia gasta.

A Eletrorede Engenharia é especialista em atuar com soluções inovadoras no ramo da distribuição de energia. Somos uma das maiores parceiras das concessionárias de energia – além de trabalhar em loteamentos industriais, comerciais e residenciais. Clique aqui e conheça nossos serviços!

 

Comunicação interna: você conversa com a sua equipe?

Entenda como a comunicação interna pode impactar os projetos da sua empresa.

Você sabia que uma das principais causas para o fracasso de alguns processos corporativos é a falta de comunicação interna? Uma equipe de funcionários alinhada e ciente das metas a serem alcançadas faz toda a diferença nos resultados de uma empresa.

Leia mais: Segurança no trabalho: 5 práticas essenciais

EXPLICANDO O CONCEITO

Nós somos seres relacionais. Isto significa que sentimos a necessidade – praticamente fisiológica – de trocarmos informações. A comunicação é uma via de mão dupla! Para que uma mensagem seja transmitida com eficácia, são necessários um emissor e um receptor. O pensamento é transmitido por intermédio de recursos físicos – como a fala, a linguagem corporal, a escrita, etc.

Nesta troca as pessoas compartilham não só pensamentos racionais, mas principalmente suas emoções. Segundo Eckhard, para que um processo de comunicação seja realmente efetivo, uma simples informação não basta. É preciso envolver sentimento de ambas as partes. Além disso, o receptor deve reagir ao que foi comunicado. O feedback também é uma confirmação de que a mensagem foi compreendida.

A comunicação pode encontrar barreiras para se estabelecer – a estes obstáculos damos o nome de ruído. Este é um dos fatores que pode dificultar o entendimento da informação pelo receptor.

IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO NO CONTEXTO CORPORATIVO

Para que qualquer empresa – seja escritório ou fábrica – alcance bons resultados, é fundamental que ela tenha processos bem estruturados. Uma comunicação interna de qualidade garante que a equipe trabalhe de forma alinhada e harmônica, evitando o fracasso dos projetos.

Não é raro que a gestão e a liderança tratem de certos assuntos em sigilo. Desconsideram a importância do diálogo e acabam deixando de estimular o engajamento dos funcionários. Problemas de relacionamentos interpessoais também influenciam negativamente neste processo.

Investir na comunicação interna é fundamental para que as informações circulem. Este hábito gera oportunidades de cooperação e construção coletiva. Desta forma, é possível direcionar os esforços com assertividade e coerência em relação às metas.

 PONTE PARA O SUCESSO

Imagine que você está caminhando e chega até a beira de um rio. Do outro lado, é possível avistar uma paisagem belíssima. O grande problema é que você não consegue atravessar nadando ou de barco – já que a correnteza é forte. O ideal seria construir uma ponte! O mesmo acontece com a distância entre você e seus colegas de equipe. A comunicação é cumpre o papel de estabelecer relações saudáveis e conexões entre os indivíduos.

Estudos apontam que as pessoas se sentem mais confortáveis em trabalhar com colegas em quem confiam. Para que haja esta construção, é preciso investir e criar oportunidades para incentivar a comunicação interna. Quando existe a troca de informações e sentimentos, há sentido na mensagem.

Veja algumas formas de trabalhar a comunicação dentro da empresa:

  • E-mail
  • Boletim interno
  • Mural de avisos
  • TV Corporativa
  • Reuniões de alinhamento
  • Dinâmicas focadas em Team Building

 O meio é apenas um fator estratégico. A mensagem precisa ter condições de chegar ao receptor sem ruídos – para que ele interprete, reaja e forneça um feedback. A comunicação é um dos fatores que legitima a nossa humanidade e causa impacto tanto na vida pessoal, quanto nas relações profissionais. Por isso, investir na cultura do diálogo é fundamental para conquistar funcionários motivados e engajados com as causas da empresa.

Converse com a sua equipe. Este hábito não elimina os problemas da rotina corporativa – mas, com certeza, é o primeiro passo para encontrar a solução!

Leia mais:  Eletrorede responde: o que fazer em caso de pequenos incêndios?

Manutenção preventiva: menos imprevistos, mais produtividade

Entenda o que é quais são os benefícios de incluir a manutenção preventiva no planejamento da sua empresa.

Em um mercado extremamente competitivo, as empresas que se destacam são aquelas que não se acomodam e buscam sempre aprimorar seus processos. A manutenção preventiva é uma estratégia que diminui os riscos de imprevistos, aumenta a produtividade das máquinas e reduz custos.

Quer se aprofundar no tema? A Eletrorede preparou um conteúdo muito bacana para você! Continue a leitura e conheça os benefícios da manutenção preventiva.

O QUE É MANUTENÇÃO PREVENTIVA?

Quando pensamos em realizar a manutenção de equipamentos, geralmente estamos falando de corrigir uma falha já existente. Ao contrário das intervenções corretivas, atitudes tomadas a posteriori, a manutenção preventiva tem como objetivo principal evitar ou reduzir problemas no maquinário.

Não raro, indústrias precisam gerenciar situações de crise neste âmbito. Muitas vezes a falha no sistema é tão comprometedora que a produção precisa ser interrompida por tempo indeterminado. Como o próprio nome indica, a manutenção preventiva é usada no contexto de prevenção.

A ação é resultado de um monitoramento, avaliação e pequenos reparos para impedir falhas no desempenho das máquinas. Para estabelecer a periodicidade das intervenções e quais reparos serão realizados, é necessário considerar fatores estatísticos e as especificações do manual do fabricante. Esta prática permite que os equipamentos operem em condições próximas àquelas que tinha quando saiu de fábrica. Ou seja, evita perdas de performance, desgastes prematuros e a degradação das peças.

CONHEÇA AS VANTAGENS

Nos últimos anos, a manutenção preventiva conquistou o mundo. Não dava para esperar um resultado diferente, afinal ela é uma estratégia muito eficaz! Que tal conhecer alguns dos benefícios de adotar esta prática na sua empresa ou indústria?

  • CONTROLE DAS ATIVIDADES
    O fato da manutenção preventiva ser um procedimento previamente agendado, é possível ter um controle assertivo das atividades da empresa. Além disso, você saberá com antecedência quais serão os recursos necessários para garantir esta intervenção.
  • CONSUMO CONSCIENTE
    Com um planejamento bem definido, é possível estimar o consumo de materiais. Elimina-se, assim, a conveniência de manter equipamentos de reserva desnecessários para o processo de produção. Trabalhe com o seu estoque reduzido!
  • REDUÇÃO DE CUSTOS
    Em comparação ao custo de intervenções corretivas, a manutenção preventiva é muito mais barata. Avaliar e substituir apenas algumas peças de uma máquina em funcionamento custa menos do que se deparar com um imprevisto, investigar a causa do problema e arcar com o valor do conserto.
  • EVITA E PREVINE FALHAS NOS EQUIPAMENTOS
    Este fator traz benefícios em dobro! Além de reduzir os riscos de quebras, a manutenção preventiva aumenta a disponibilidade dos equipamentos. Garantindo que todo o processo funcione com excelência, elimina-se também impactos negativos na produção e nos lucros.
  • EVITE SURPRESAS
    Como a manutenção preventiva é previamente agendada, o planejamento orçamentário fica muito mais coerente com a realidade. Afinal, é possível prever os gastos com mão de obra e com as peças.
  • INVESTIMENTO NA PERFORMANCE
    A melhor alternativa para garantir o máximo desempenho dos equipamentos é a manutenção preventiva. É impossível eliminar toda a probabilidade de falhas, mas esta prática reduz significativamente o risco de imprevistos. Em outras palavras, ela garante confiabilidade para o maquinário.
  • MAIS SEGURANÇA
    Como já abordamos o assunto neste artigo, garantir a segurança dos funcionários no ambiente de trabalho é responsabilidade da empresa. A manutenção preventiva também evita que os operadores de máquina sofram acidentes.

Fato é: toda a empresa precisa fazer um planejamento bem definido. Neste caso, é fundamental incluir a manutenção preventiva neste conjunto de análises periódicas. Para garantir a eficiência desta prática, você precisa contar com uma equipe capacitada tecnicamente para identificar, antecipar e prevenir ante os problemas que podem aparecer com o tempo. 

A Eletrorede é especialista na manutenção preventiva de válvulas de controle, malhas de processo até painéis de comandos elétricos. Estamos preparados para atender as demandas específicas de cada cliente.

 Clique aqui para saber mais detalhes sobre a nossa atuação ou entre em contato conosco!

Eletrorede responde: o que fazer em caso de pequenos incêndios?

Aprenda como agir em situações de pequenos incêndios.

Ao executar uma obra ou reforma, é preciso pensar na instalação de uma infraestrutura para combater pequenos incêndios. Se antecipar é o grande segredo para minimizar riscos. Também é fundamental investir em um programa de educação preventiva. Assim, é possível capacitar as pessoas a agir com segurança!

Leia mais:  Segurança no trabalho: 5 práticas essenciais

Você sabe o que fazer em caso de pequenos incêndios na sua casa, fábrica ou empresa? Leia o texto para descobrir.

O TRIÂNGULO DO FOGO

Todo incêndio – de pequena, média ou grande escala – começa com uma reação química desencadeada por 3 elementos: combustível, comburente e calor (reação em cadeia). Entenda o que é e como cada fator influencia na combustão:

#1 COMBUSTÍVEL
Corresponde a qualquer material que possa ser oxidado. Eles podem estar em 3 estados:

  • Gasosos: gás hidrogênio, gás liquefeito de petróleo, acetileno, etc.
  • Líquidos: gasolina, álcool, óleo combustível, éter, etc.
  • Sólidos: algodão, madeira, papeis, etc.

Ainda neste assunto, os combustíveis líquidos se subdividem em duas categorias. Veja:

  • Voláteis: liberam vapor em temperatura ambiente e apresentam maior risco. Ex: álcool e gasolina.
  • Não voláteis: praticamente não liberam vapor e apresentam menor risco. Ex. graxa e tintas.

#2 COMBURENTE
Elemento simples, mas indispensável para gerar a combustão. O comburente é o gás oxigênio (O2) – que reage ao entrar em contato com o combustível.

 #3 CALOR (REAÇÃO EM CADEIA)
Para fazer uma fogueira é preciso mais do que alguns pedaços de madeira (combustível) em contato com o oxigênio (comburente). O fogo só começa quando o calor de um fósforo – por exemplo – fornece a energia necessária para a reação química continuar.

COMO COMBATER PEQUENOS INCÊNDIOS?

Para combater um incêndio com segurança, é preciso remover um dos fatores que compõem o triângulo do fogo. A Eletrorede preparou um resumo para te ajudar a entender mais sobre o assunto. Veja só:

A. ELIMINE O COMBUSTÍVEL
Em incêndios de classe B (com líquidos que queimam na superfície e deixam resíduos) e C (com equipamentos elétricos) este método é o mais indicado.

Neste caso, basta retirar o material do local. Se o gás da sua cozinha está aberto, por exemplo, é preciso desligar o botão para que eliminar o combustível de uma possível reação.

B. ELIMINE O COMBURENTE
Imagine a seguinte situação: você está cozinhando com óleo e a frigideira começa a pegar fogo. O que você faz? Se a resposta foi jogar água, é melhor rever suas atitudes. Neste caso, a água poderia causar uma explosão de óleo quente – ocasionando queimaduras na sua pele.

A alternativa certa é desligar o fogo e colocar um pano úmido por cima da frigideira – impedindo que o oxigênio entre em contato com as chamas. Para eliminar o comburente, basta cortar o contato entre o combustível e o oxigênio usando a técnica do abafamento por uma cobertura.

C. ELIMINE O CALOR
Este é um dos principais métodos de se combater um incêndio – principalmente os de classe A (combustíveis sólidos que queimam na superfície e na profundidade deixando resíduos). Para eliminar o calor, basta diminuir a temperatura. Os extintores são as ferramentas mais indicadas para esta tarefa.

Lembre-se: existe um extintor apropriado para cada tipo de incêndio. Preste atenção nesta sinalização! Do contrário, você pode piorar a situação e transformar pequenos incêndios em grandes.


PRINCIPAIS TIPOS DE EXTINTOR

Conheça as quatro categorias de extintores e saiba em qual classe de incêndio usar cada um:

  • EXTINTOR À BASE DE ESPUMA – Incêndio Classe A e Classe B
    Materiais sólidos como madeira, papel ou tecido – que, após a combustão, geram resíduos como cinzas e carvão. Também pode ser utilizado em incêndios com líquidos e gases inflamáveis ou em sólidos que derretem para entrar em combustão – como a parafina, por exemplo.
  • EXTINTOR H2O Incêndio Classe A
    Materiais sólidos como madeira, papel ou tecido – que, após a combustão, geram resíduos como cinzas e carvão.
  • EXTINTOR DE PÓ QUÍMICO (BICARBONATO DE SÓDIO) – Incêndio Classe B e Classe C
    Pode ser utilizado em incêndios com líquidos e gases inflamáveis ou em sólidos que derretem para entrar em combustão – como a parafina, por exemplo. Também é a categoria mais indicada para combater incêndios em equipamentos elétricos.
  • EXTINTOR DE GASES E VAPORES INERTES (GÁS CARBÔNICO, VAPOR D’ÁGUA E NITROGÊNIO) – Incêndio Classe B e C
    Assim como o extintor de pó químico, ele pode ser utilizado em incêndios com líquidos e gases inflamáveis ou em sólidos que derretem para entrar em combustão. Também é a categoria usada para combater incêndios em equipamentos elétricos.

DICAS PARA UTILIZAR O EXTINTOR

Ao enfrentar situações de pequenos incêndios, o extintor é a ferramenta mais indicada. Contudo, é preciso se atentar a alguns detalhes importantes:

  • VERIFIQUE ANTES DE USAR
    Você precisa analisar as condições do extintor antes de usá-lo. Confira se os lacres não foram violados, se está dentro do prazo de validade e se está com o selo de qualidade do INMETRO.

Verifique se o indicador de pressão está na faixa verde. Se estiver na vermelha, não é seguro utilizar aquele extintor.

  • REGRAS DE UTILIZAÇÃO
    O primeiro passo é retirar a trava da válvula e se certificar que o lacre foi rompido. Você sempre deve segurá-lo na posição vertical! Depois, aponte a mangueira em direção à base das chamas – sempre de uma distância segura.

Existem extintores que não possuem mangueira. Se este for o seu caso, não se preocupe! O importante é direcionar o jato sempre para a base do fogo.

EM CASO DE INCÊNDIO: MANTENHA A CALMA!

Antes de agir para combater pequenos incêndios, é fundamental tomar alguns cuidados. Confira a altura do fogo – isto, é claro, se a fumaça não estiver dificultando sua respiração ou atrapalhando a visualização do foco das chamas. Se a temperatura do ambiente estiver alta ao ponto de impedir sua permanência no ambiente, deixe o local imediatamente!

Não dá para eliminar totalmente a possibilidade de um incêndio, mas é possível equacionar os riscos! A Eletrorede tem sólida experiência no desenvolvimento de projetos e instalação de infraestrutura de combate a incêndio para clientes de diversos segmentos.

 Ficou interessado (a)? Entre em contato conosco e solicite um orçamento!

Rede Subterrânea: conheça os benefícios

Descubra as vantagens de investir na rede subterrânea – um dos modelos de distribuição de energia.

Imagine caminhar pela cidade, olhar para o céu e não ser atrapalhado (a) por inúmeros postes com fios entrelaçados. A instalação de uma rede subterrânea pode transformar a paisagem de um lugar – mas não para por aí. Os benefícios vão muito além da estética!

Quer entender mais sobre o tema? Então, continue a leitura. Este texto foi feito para você!

REDE SUBTERRÂNEA: ALTERNATIVA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA

Assim como acontece nas redes de água e saneamento, em projetos de rede subterrânea toda a fiação é transferida para galerias localizadas no subsolo. Este modelo de distribuição de energia já é uma realidade nos países desenvolvidos. É muito comum encontrar trechos urbanos sem fiação aérea.

No Brasil, o cenário ainda é um pouco diferente. Por não ser um tema muito abordado, é difícil enxergar a viabilidade e as vantagens de investir em um projeto como este. É preciso enxergar esta mudança como uma oportunidade de investimento. Afinal, este modelo de distribuição é uma alternativa que traz inúmeras vantagens para todos os públicos envolvidos: desde as concessionárias de energia até a população em geral.

Leia mais: Indústria 4.0: como ela vai impactar o seu negócio?

CONHEÇA OS BENEFÍCIOS

O primeiro pensamento em relação ao processo de enterramento da fiação sempre está ligado à questão estética. É preciso ampliar este pensamento! A instalação de uma rede subterrânea gera impactos muito positivos quando o projeto considera a revitalização e reurbanização do local.

Em relação ao modelo de fiação aérea, as redes subterrâneas se apresentam como uma alternativa muito mais moderna. Sabe por quê? Muito simples! Elas estão melhor protegidas e sofrerão menos impacto com as interferências do meio.

Veja as principais vantagens de investir na rede subterrânea como alternativa principal de distribuição de energia:

  • ESTÉTICA
    Com postes, transformadores e cabos elétricos em galerias no subsolo a paisagem urbana fica muito mais agradável! É possível plantar mais árvores, já que, sem os fios não há perigo de acidentes.

A sensação de bem-estar nas pessoas aumenta bastante – afinal, a rua se torna um ambiente charmoso e acolhedor. Tal fato também gera impacto no movimento comercial e valoriza os imóveis da região.

  • SEGURANÇA
    A rede subterrânea é uma alternativa de distribuição que aumenta a segurança das pessoas na cidade. Como? Não existirão mais colisão de carros em postes! Além disso, as crianças que empinam pipa não estarão expostas ao perigo de sofrer acidentes com a energia elétrica por conta das fiações.
  • REDUZ CUSTOS DE MANUTENÇÃO
    Com a fiação em galerias subterrâneas, a rede fica protegida do desgaste com fenômenos naturais ou outras interferências externas. Este investimento resulta custos menores de operação e manutenção corretiva.

Como os equipamentos são de grande durabilidade e funcionam de maneira automatizada, é possível transferir cargas de energia automaticamente – basta realizar o comando no Centro de Operação.

  • MENOS RISCOS DE TRANSTORNO OPERACIONAL
    No que diz respeito à eficiência na distribuição de energia, o modelo de redes subterrâneas reduz consideravelmente a possibilidade de descargas elétricas e apagões.
  • ACESSIBILIDADE NOS ESPAÇOS PÚBLICOS
    Sem postes atrapalhando o caminho, as pessoas com deficiência (PCDs) terão maior acessibilidade, mobilidade e autonomia para se locomover pela cidade.
  • SATISFAÇÃO PARA TODOS
    Todos os públicos de interesse ficam satisfeitos com esta alternativa de distribuição de energia. O Estado, as concessionárias e a população em geral desfrutam da qualidade e vantagens que a rede subterrânea oferece.
  • PROCESSO LIMPO
    Atualmente já existem tecnologias de perfuração que geram menos transtorno no processo de instalação. É possível reduzir a movimentação dos equipamentos e continuar permitindo a movimentação de pedestres e veículos nas proximidades do local.

Viu só? A instalação de rede subterrânea é um investimento com custo-benefício excelente!

Se você ficou interessado (a) por esta alternativa, entre em contato conosco! Com muita experiência no mercado, nosso trabalho é reconhecido pela experiência e qualidade nos serviços elétricos para concessionárias de energia e obras em loteamentos comerciais, residenciais e industriais.

 Não importa o segmento – a Eletrorede é a solução certa para viabilizar o seu projeto!

Indústria 4.0: como ela vai impactar o seu negócio?

Entenda o que é e como a sua empresa pode se beneficiar com a Indústria 4.0.

Provavelmente você já ouviu falar na Revolução Industrial. Este processo influenciou diversos aspectos da vida cotidiana na época. Começou com a transição dos métodos artesanais para a produção por máquinas – gerando novos meios de produzir e distribuir energia. A grande questão é: qual a relação deste acontecimento histórico com a Indústria 4.0? Leia o texto para descobrir!

INDÚSTRIA 4.0: ENTENDENDO O CONCEITO

A tecnologia mudou a maneira que consumimos informação e como nos relacionamos uns com os outros. Tal fato nos transporta a um novo período histórico da humanidade: a quarta Revolução Industrial. Mudanças que irão transformar, mais uma vez, o funcionamento do mundo e impactar a nossa rotina.

A Indústria 4.0 veio para movimentar a economia, elevar os padrões de vida e gerar empregos qualificados. Este conceito surgiu em 2011, na Feira de Hannover. Incentivada pelo Governo alemão junto a empresas de tecnologia e centros de pesquisa, a iniciativa propõe a descentralização do controle dos processos ao longo de toda a cadeia de produção. Tudo isso, é claro, inserindo uma grande quantidade de dispositivos tecnológicos conectados entre si.

Em resumo, trata-se de uma equação simples:

Trabalho Colaborativo
+
Inovações Tecnológicas [Automação, controle e tecnologia da informação] +
Setores Industriais e Processos de Manufatura
=
Eficiência Operacional

O setor industrial brasileiro, de acordo com especialistas, apresenta um déficit no acompanhamento das tendências. Grande parte das indústrias ainda está engatinhando neste sentido. A maioria se encontra na transição da Indústria 2.0 [utilização de energia elétrica e linhas de montagem] para a Indústria 3.0 [automação por meio da robótica, programação e eletrônica].

Em 2016, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) realizou um estudo interessante. Nesta pesquisa foi descoberto que apenas 58% da amostra (2225 fábricas) já tem ciência da importância de investir em tecnologias para aumentar a vantagem competitiva. Um número relativamente grande. Entretanto, menos da metade investe neste setor.

CONHEÇA OS PRINCÍPIOS

A implantação da Indústria 4.0 nas fábricas segue alguns princípios de desenvolvimento. Veja quais são eles:

1) MODULARIDADE
Capacidade de produzir de acordo com a demanda – utilizando os recursos de acoplamento e desacoplamento dos módulos no processo. Isto possibilita a criação de alternar com facilidade as atividades das máquinas.

2) VIRTUALIZAÇÃO
Sistemas de simulação já ficaram ultrapassados. A Indústria 4.0 sugere o desenvolvimento de uma espécie de “cópia virtual” das fábricas inteligentes. Por meio de sensores espalhados pela planta, é possível monitorar remotamente e rastrear todos os processos.

3) POSSIBILIDADE E ESTRUTURA PARA OPERAÇÃO EM TEMPO REAL
Os dados são coletados de forma instantânea – servindo como base e possibilitando a tomada de decisão em tempo real.

4) DESCENTRALIZAÇÃO DE PROCESSOS
Um dos pilares mais interessantes da Indústria 4.0, a descentralização acontece com o objetivo de melhorar os processos de produção. Como as máquinas fornecem dados importantes sobre o ciclo de trabalho, será possível arquitetar as decisões por meio do sistema cyber-físico – levando em consideração as necessidades em tempo real.

5) SOFTWARE COM FOCO EM SERVIÇOS
O conceito de Internet of Services (em português, Internet dos Serviços) oferece inúmeras possibilidades de atuação. Vai além do simples monitoramento de dados. O software também pode fornecer informações essenciais sobre os dispositivos. Esta análise serve como base para insights e inputs críticos com foco em aprimorar o processo.

Um termostato conectado a um IP, por exemplo, pode mostrar alternativas de eficiência energética para economizar na conta de luz.

COMO A INDÚSTRIA 4.0 VAI IMPACTAR O SEU NEGÓCIO?

Assim como as três Revoluções Industriais passadas, a chegada da Indústria 4.0 trará mudanças que afetarão não só o mercado, mas a nossa vida. Em um contexto cada vez mais competitivo e exigente, a empresa que não investe na criação ou implantação de novos modelos de negócio acaba morrendo na praia.

Veja alguns exemplos de como este processo pode impactar o seu negócio:

  • ADAPTAÇÃO AO NOVO PADRÃO DE INDÚSTRIA
    As empresas precisarão investir na adequação ao modelo de fábricas inteligentes. Para que isso aconteça, a tecnologia é peça fundamental no que diz respeito a garantir a viabilidade desta adaptação.

Será necessário realizar muitas pesquisas nos campos de segurança, interação máquina-máquina e confiabilidade da produção.

  • NOVAS DEMANDAS PARA OS PROFISSIONAIS
    Como em todo processo de mudança, as demandas também se transformam. Algumas necessidades deixam de existir e abrem espaço para novas. Por exemplo, a mão de obra automatizada vem ganhando espaço na indústria e robôs passaram a substituir pessoas. Parece um cenário muito ruim, mas há o outro lado da moeda! Começam a surgir novas demandas nas áreas de pesquisa e desenvolvimento – tarefa que é realizada por profissionais extremamente capacitados.

É importante entender que a Indústria 4.0 não surge como uma inimiga dos humanos. Ao contrário, ela vem para aprimorar processos criados por pessoas e otimizar o tempo – a fim de permitir novos insights por parte dos pesquisadores.

  • FOCO NO CLIENTE
    Pensando em atender um público que se mostra mais exigente, as empresas começaram a investir em equipamentos mais modernos. Estes possibilitam a customização de cada produto de acordo com as necessidades ou demandas específicas de cada cliente.

As fábricas inteligentes tornam esta variável do processo de produção uma realidade. Hoje já é possível levar em conta as preferências de cada consumidor.

Assim como a Indústria 4.0, a atuação da Eletrorede no mercado é pautada pela inovação de projetos – de acordo com a necessidade do cliente.

 Quer saber mais sobre os nossos serviços na área industrial? Acesse o link para conferir ou, se preferir, entre em contato conosco. Ficaremos felizes em entender as necessidades da sua empresa e esclarecer todas as suas dúvidas!

1